Um amigo confuso

Um amigo me contou sobre uma garota que ele tinha conhecido antes de uma viagem. Ele passou alguns meses fora, num intercâmbio nos Estados Unidos. Disse que só tinha reparado que a menina tinha mexido com ele porque ainda pensava nela, mesmo quase um ano depois de terem se visto pela última vez.

Comparou as memórias que tinha com essa menina com as memórias do seu intercâmbio. Lembrava de mais detalhes das poucas vezes que tinha saído com essa menina do que lembrava de histórias da viagem. Lembrava das poucas vezes que tinha saído com a menina de sua cidade antes de viajar e como curtira.
– A gente tinha uma conexão, sabe?

Perguntei sobre a menina que ele gostava no intercâmbio, ele não soube responder. 
-Ela era especial, mas era diferente..
-Diferente como? – perguntei
-Não sei, era diferente… Talvez tenha sido uma paixão de verão.

Então ele gostava da menina daqui mas mesmo assim acabara gostando de outra lá. Confuso, mas não necessariamente inesperado. Tinha ido com o intuito de curtir e beijar várias, mas chegando lá acabou gostando de uma única pessoa. Agora, de volta ao mundo real, ele percebe que sente falta daquela que deixou antes de partir. E que aquela que achava especial não passou de uma paixão de verão, uma comédia romântica que não teve final feliz.

(Thomas Tyn Chow Wang – 25/08/2019)
Sugestão de leitura: Ao amigo apaixonado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *